Paralelas

A LEI DA GESTÃO ESCOLAR E O CASUÍSMO DOS DIRETORES

Escrito por nonato.

 Nonato Menezes e Omar dos Santos

Gestão2Em Audiência Pública, promovida pela Câmara Legislativa do Distrito Federal neste último dia 04 de abril, foi retomado em boa hora, mas não com um bom começo, o debate sobre as necessárias alterações da Lei 4.751 de 2012, que trata da “gestão democrática” na Rede Pública de Ensino do Distrito Federal.

Não deveria ter começado, por exemplo, a partir de iniciativas de um grupo de diretores escolares, cujo apelo foi o de ajeitar a Lei segundo seus próprios interesses. Uma conduta movida por casuísmo, que contraria o que se espera de quem exerce o poder político num ambiente educativo.

O segundo tropeço, ajudado pelos promotores do evento, foi o de focar o debate apenas no Art. 41, justamente aquele que trata do mandato conferido pelo voto direto aos diretores e diretoras de escola.

Este artigo, do ponto de vista dos interessados, passou a ser um dos grandes problemas da Lei, ainda que sua redação seja clara e objetiva e não apresente nenhum conflito ao conjunto de dispositivos daquele instrumento jurídico, menos ainda às outras legislações pertinentes.

E assim voltamos ao complexo de Vira Lata

Escrito por nonato.

Omar dos Santos*

Vira-lataEsse texto tem a pretensão de tornar o atual debate sobre a maior paixão do povo brasileiro, o futebol, mais inteligente e mais participativo. Busca ainda, contribuir com a tarefa, que é de todos, de ajudar o cidadão a adquirir uma posição mais crítica e ativa em relação aos meios de comunicação de massa do Brasil.

Após a conquista da copa do mundo na Suécia pelo Brasil, o grande Nelson Rodrigues escreveu: “A conquista da Taça Jules Rimet por nossa seleção serviu para que o futebol brasileiro perdesse o complexo de vira-lata”. Da inteireza de sua razão, não há o que contestar. Tanto é que depois disso, ganhamos mais quatro copas e nos tornamos referência de futebol e exportadores de craques e treinadores. O mundo inteiro reconhece a importância e a preeminência de nosso futebol.

Indústria e Educação, as Irmãs que não se Encontram

Escrito por nonato.

 Luiz Basílio Rossi *

IndúsIndústriatria despenca 10,9%”, afirma o Correio Braziliense em sua edição de 05 de novembro de 2015 (p. 12, primeiro caderno). A indústria apresentou essa retração na comparação entre o mês de setembro de 2015 e o mesmo mês de 2014. A queda ocorreu em 25 dos 26 setores pesquisados pelo Ibge.

A análise do desempenho da indústria brasileira há mais de seis décadas mostra uma oscilação que se explica pela adoção de políticas diferentes ao longo desses 30 anos. Existem dois momentos: de 1950 até a segunda metade dos anos 1980, acontece um avanço. Dessa última data até hoje, dá-se retração da participação da indústria de transformação no Produto Interno Bruto (PIB) do país (figura 1).

AGORA VAI - A Globo e seus acéfalos querem um “Brasil Limpo”.

Escrito por nonato.

Globo

Omar dos Santos - Ninguém neste país, sendo minimamente informado, desconhece que a situação financeira da “poderosa Rede Globo de Televisão” é desesperadora, como sabe também que se não fossem seus “conchavos e seu poder de chantagem contra todos” ela já tinha fechado as portas.

É do conhecimento da maioria dos brasileiros e estrangeiros que a família Marinho e sua emissora, sendo a última uma concessão do povo brasileiro, apoiou o golpe militar de 64, cooperando com a ditadura durante os seus tristes e longos 21 anos. Embaraçada pelas novas circunstâncias históricas do país e do mundo, recentemente, a alta direção do grupo pediu desculpas ao povo por ter apoiado incondicionalmente os golpistas e sua sanguinária ditadura. Contudo, a notória falta de sinceridade do mea culpa é tão clara que o grupo continua usando todos os seus recursos e seu poder de influenciar o povo a serviço dos interesses do capitalismo retrógado e das elites mesquinhas, que agem em desfavor dos interesses coletivos.

A boa notícia sobre o Ensino Público do Distrito Federal

Escrito por nonato.

Quadro

Trigésima terceira prioridade

Nonato Menezes - Na ausência de iniciativas da Secretaria de Educação para melhorar o Ensino Público do Distrito Federal, eis que o Poder Legislativo assume a função e promulga uma Lei importantíssima para o setor.

Ao recordar do período eleitoral e pós-eleitoral, o que ouvíamos, sobretudo, do grupo que assumiu o poder - já com oito meses de governo – era que a gestão anterior viajava nos mares da incompetência, sendo a Educação, inclusive, um exemplo de caos.